Samba Oficial 2017 – GRESV União da Gávea
ago05

Samba Oficial 2017 – GRESV União da Gávea

Decifra-me ou devoro-te – A Pedra dos Mistérios Compositor: Pauliho Bandolin Interprete: Diego Alves   Voa, voa gaivota Vai levar o meu recado Sou o Imperador Hoje a União é o meu reinado Abro a minha janela Avisto a montanha beijando o mar Cheia de encantos e mistérios Tão bela… seduziu o meu olhar Vi… uma Esfinge fascinante Dona de traços marcantes Parece que o meu rosto retratou Um coração aventureiro não se cala Vem decifrar os segredos Que nunca alguém decifrou O Rei Fenício de lá ordenou Gravar na pedra o seu amor Por Badzir, seu filho sucessor Que o mar da Guanabara levou Você vai notar semelhanças Monumentos virão na lembrança Na Mitologia há de buscar Enigmas desvendar Vai descobrir… que nela existe um portal Pro infinito espiritual Sentir a sua divindade Pedra da Gávea, templo sagrado Patrimônio da...

Read More
Samba Oficial 2017 – Escola Virtual da Amazônia
ago05

Samba Oficial 2017 – Escola Virtual da Amazônia

As Muitas Voltas de Lampião  Compositores: Aílson Picanço e Guga Martins Interprete: Júlia Castro A resenha tava boa mas eu tenho que partir Vou-me embora dessa banda Mas tou sempre por aí Tou na arte encarnado na cultura popular Sou a voz e a resistência vendo a EVA desfilar Sem meias palavras vou me apresentar Não trema não, pois só vamos conversar Me chamo Virgulino O mais temido cangaceiro do sertão Tá vendo esse chapéu de couro… A carabina, o punhal e o gibão? Marquei esse reinado De terra de chão rachado Sob a luz de um lampião Fui lá embaixo conhecer o coisa ruim Mas teve medo d’eu roubar o seu lugar Não deu conta não de me derrubar Sem ninguém notar Eu subi pra ser julgado Ferrabrás foi enviado, queria me ver queimar Nossa Senhora, és minha proteção! Não pude ficar no inferno ou no céu Voltei nas coisas do sertão… Maria, flor bonita do cangaço Feito em bonecos de barro Moldamos o nosso...

Read More
Conheça o enredo do GRESV Apoteose para o Carnaval Virtual 2017
ago05

Conheça o enredo do GRESV Apoteose para o Carnaval Virtual 2017

UMA HISTÓRIA DO PESCADOR QUE NÃO SABIA PESCAR Autor: João Carlos Martins JUSTIFICATIVA O G.R.E.S.V. Apoteose visa à valorização dos personagens brasileiros que contribuem culturalmente para o nosso país. Foi com esse pensamento que homenageamos as baianas no carnaval passado e conseguimos o acesso ao Grupo Especial. Para o carnaval de 2017, temos a honra de exaltar outra figura típica: o pescador. Além disso, prestaremos uma homenagem ao cancioneiro da Bahia e carioca de coração Dorival Caymmi – o pescador que não sabia pescar. Caymmi era um apaixonado pelo mar e pelos homens que dele viviam desde quando foi veranear em Itapuã aos 17 anos. Expressou essa paixão em diversas obras que ganharam o Brasil e o mundo. Em uma delas, “História de Pescadores”, Dorival narra o dia a dia do pescador em seis partes: sua ida ao trabalho com a jangada, sua esposa se despedindo, sua luta contra o temporal, sua família angustiada a sua espera, seu lamento pelos companheiros que se entregaram às águas e seu trabalho recomeçando no dia seguinte. Em nosso enredo, pedimos licença para utilizar essa grande canção como pano de fundo para que o próprio pescador conte seu dia. O pescador escolhido foi o próprio Dorival Caymmi. Apesar de não saber pescar e nadar, o cancioneiro que tanto admirou os homens da pesca e os interpretou nas suas músicas, incluindo a citada, tem alma de pescador. A jangada da Apoteose vai sair pro mar! INTRODUÇÃO O mar quebrando na praia é uma imagem que ficou na minha cabeça desde Itapuã. Meu pai me contava histórias, ele era outro apaixonado. Mas foi em Itapuã que fiquei fascinado. A família do Senhor Lisboa alugou uma casa de pescadores lá durante as férias e me convidou. Eu fui. Que paraíso! Minha vontade era de todo dia estar lá debaixo do coqueiro, deitado na cama de lona, admirando os pescadores pegando suas jangadas e saindo pra pesca. Acontece que eu sou baiano e baiano quando se apaixona… Assim fui eu com o mar. Estar nele era meu sonho. Eu sempre quis ser pescador, mas nunca soube nadar nem pescar, acredita? João Valentão um dia me convidou e eu fugi. Ele ficou irado de raiva e eu saí correndo. Fiz outros amigos pesqueiros também, até de Copacabana, onde morei a maior parte da minha vida. Mas quando eu cantava, eu me sentia o próprio pescador. De tanto imaginar, hoje sou eu que vou pro mar, pra minha grande paixão. Meus amigos me pescaram e dessa vez não tenho como fugir. PARTE I: “CANÇÃO DA PARTIDA” Vejo os primeiros raios de Sol fazendo reflexo nas águas cristalinas. A areia...

Read More
Samba Oficial 2017 – GRESV Apoteose
ago05

Samba Oficial 2017 – GRESV Apoteose

Uma História do Pescador Que Não Sabia Pescar Compositores: Ailson Picanço e Guga Martins Interprete: João Carlos Martins A lua dorme e acende a candeia Tem pegadas na areia antes do Sol clarear A nossa luta mal começa na ribeira Minha jangada vai sair pro mar Vou trabalhar, meu bem querer Para manter nossa família E sentir o cheiro de alecrim Ao retornar no fim do dia Mas a correnteza é o que faz nosso destino Em pergaminhos escritos por Yemanjá Num dia, é farta a nossa pescaria No outro, há incerteza em voltar O balanço do mar O balanço do mar Vai me negar o teu sorriso O balanço do mar O balanço do mar Vai me levar ao infinito Morena, guarde as suas lágrimas Pois o leito é doce sob a maresia Estou na vila para a lembrança ser eterna Fincado em Itapuã Eu sou do mar Eu sou da terra! No versar da Apoteose Cancioneiro e sonhador Eterniza um poeta com alma de...

Read More
Samba Oficial 2017 – GRCESV Ponte Aérea
ago05

Samba Oficial 2017 – GRCESV Ponte Aérea

“Deus e o Diabo na Terra do Sol” Compositor: Imperial e Leandro Thomaz Interprete: Diego Nicolau   Da força de Deus… A fé Da fúria do cão… A fibra A terra do homem é Sem pecado e sem perdão Ponte Aérea canta o sertão! Prepare o seu coração Pros causos que eu vou contar Lá nos confins do sertão Sobe uma prece ao céu Brilha incandescente o fogaréu Rosa sem espinho faz chorar E o vaqueiro vai tentar alcançar a esperança Mas num repente tudo isso se perdeu Tão forte a seca que até o boi correu E o coronel que lançou tanta mentira Viu no sangue da justiça o poder de Emanuel O destino que restou… Ôôô  O beato e sua fé Que promete um mundo novo E arrasta todo povo… Que já veio ou que vier! E a crença cega que a todos alucina Vai gerando sacrifícios por Jesus e por Maria Quanta maldade para quem tanto sonhou Horizonte de descrença, outro rumo se riscou Geme o cangaço, geme o coração que um dia Brincou de amor, imaginou que poderia Mudar a sina dessa gente sertaneja Dessa alma que viceja… Toda paz do arrebol Chegou o dia do juízo, da peleja Entre a Morte e o Capeta vigiados pelo sol Corre lá… Corre lá… Devaneio que não morre…  O sertão vai virar...

Read More
Conheça o enredo do GRESV Imperiais do Samba para o Carnaval Virtual 2017
ago05

Conheça o enredo do GRESV Imperiais do Samba para o Carnaval Virtual 2017

AXIS MUNDI – POR MINHAS RAÍZES, BATUCAI!! Autor: Wellington Kirmeliene SETOR I – O EIXO DOS MUNDOS Estava lá quando a criação principiou. Quando a escuridão se partiu em um filete de luz. Fui a árvore que recebeu os tronos da fé de Oxalá e Logunan. Envolvi com meus galhos o tempo! Fui sustentáculo de mitos, ritos e seres cósmicos. Também me tornei alvo da curiosidade humana que custou a permanência no Jardim do Éden. Axis mundi – eixo dos mundos, toquei com minhas raízes a terra e com minhas copas o céu. Interliguei homens e deuses. SETOR II – CASCOS, TRONCOS E GALHOS: A HISTÓRIA Por mim a humanidade navegou. Fui embarcação para seus sonhos de grandeza, domínio e riqueza. Fui também o motivo de tanto querer transpor limites tornando o impossível algo possível. Assentei o mundo colonial sendo símbolo de ostentação e fartura dos senhores de engenho. Recebi a dor que provinha de canaviais e senzalas. O chicote estalava e eu, silenciada, sofria junto aos filhos de Ébano. Observei a realeza, idas e vindas dessa terra brasilis. Rimando selvagem e civilizado, envolvi em meus galhos, com minhas raízes, as pilastras, os balaústres tornando-me palco verdejante no coração da Amazônia. Fui limite entre dois mundos. SETOR III – POR MINHAS RAÍZES, BATUCAI! Pelas mãos geniosas e geniais emiti inúmeros sons. Derivaram de mim tambores, violinos e alaúdes. Sonoridade e musicalidade entrelaçadas em meu corpo. Quando zabumba fui alento à vida ressequida do sertão. Mas fui bem mais. Por minhas raízes floresceu o samba. Escolas e blocos foram acolhidas por meus galhos, folhas e frutos. Transcendi e me tornei virtual gerando incontáveis agremiações – sonhos de meninos – que brincaram de carnaval. Ganhei patente e coroa tornando-me a imortal do samba – Imperiais do Samba. Como uma fênix renasço folha por folha, esticando meus galhos, aprofundando minhas raízes mostrando a força que possuem. A você do mundo real, virtual, de ontem, de hoje e de sempre…por minhas raízes, batucai!!...

Read More