Conheça o enredo do GRESV Pindorama para o Carnaval 2018

Conheça o enredo do GRESV Pindorama para o Carnaval 2018

GRESV PINDORAMA Lá vem o Brasil descendo a ladeira Cena 1. O sol nasce. O menino desce as escadas com sua bola no pé. – Lá vem o Brasil descendo a ladeira! – avistou a Maria com a lata d’água na cabeça. – Quem desce do morro não morre não asfalto! – gritava seu Manuel da padaria. Era assim todo dia que o Brasil descia do morro com sua camisa amarelo canário e sua companheira redonda. Cabelo preto escorrido, a face negra, os olhos claros, em seu rosto trazia a herança negro-branco-indígena. Um jovem cheio de esperança para o seu futuro, mas com uma grande bagagem no seu passado também. Ele carregava em si a ancestralidade de todas as culturas. E não é de hoje que ele vem descendo morro a baixo. Lá se vão séculos. Ele tenta equilibrar-se com o peso de ser quem é, de trazer consigo a memória de tantos povos, mas ele ainda não sabe o que fazer com ela. A verdade é que nosso menino apesar de já estar na idade escolar, não aprendeu a ler uma linha sequer. O Brasil só sabe as coisas de ouvir dizer, ingênuo como ele só, acredita em qualquer história que lhe contam. Sua vida mudou no dia em que feliz, fazendo embaixadinhas com sua bola, ele seguia morro abaixo mais uma vez. Até que a mãe de santo mais respeitada, e temida, do morro inteiro parou diante dele. O menino gelou com a visão daquele senhora a sua frente com todas as suas guias. Ela o encarou e, então, disse: – Vem cá, Brasil! Deixa eu ler...
Samba Oficial 2017 – GRESV Pindorama

Samba Oficial 2017 – GRESV Pindorama

Lá Vem o Brasil Descendo a Ladeira Compositores: Ronaldo Nunes e Christiano Mesquita Interprete: Ronaldo Nunes Lá vem ele descendo a ladeira Lá vem o menino… Oh meu Brasil Nas mãos o seu destino Desvenda o passado Pro seu futuro então se abrir Foi de além mar Mas não se engane não Tem mais verdade nessa facção No morro pascoal chega Cabral Ao avistar pindorama de beleza sem igual…. Em um paraíso tão plural Mas a pureza sucumbiu com o seu povo lutador Pelas mãos da ambição Na disputa cada palmo de chão  Imposição da religião Na busca em conhecer a sua história A família lusitana vaga na sua memória Mas as mãos que te embalaram a noite Sofriam abaixo do açoite Foi quando chegou o líder maior No morro se abrigou…estava na pior Escancarou as entradas pra evolução… Para os amigos da facção O tempo passou… A independência ecoou A liberdade já raiou Numa sucessão, mudanças e domínios como herança Marchando, chegou a esperança Valente guerreiro…retoma o seu lugar É tempo de recomeçar E viajar no carnaval Pindorama é quem diz Ainda é tempo…seja...