Conheça o enredo do GRESV Dragões Lendários para o Carnaval 2018

DRAGÕES LENDÁRIOS
HISTÓRIAS DE DRAGÕES

Galera do Carnaval Virtual, vocês pensaram que eu só retornaria ao Olho do Urubu no Carnaval Virtual 2018? Se enganaram!
Hoje vamos estrear a modalidade bate bola – jogo rápido – sinopse com a Dragões Lendários que traz como tema para o Carnaval Virtual 2018, o dragão! Isso mesmo! O símbolo virou enredo!
Para isto tomamos a ousadia de entrevistar o próprio, a lenda em forma de pavilhão, o dragão lendário! Vamos lá, daqui direto do olho do urubu. Com patrocínio de SRZD, Tantos Carnavais, Água Ferruginosa, e claro, Marlene me traz uma!

Diego Araújo: Dragão, nos conte, como é a sensação de ser enredo?
Dragão Lendário: Rooooaaar – Roaaaaaarrr – Roooooooooaaar
Diego: É, parece que ele está feliz!
Dragão: A GRESV Dragões Lendários desfilará em 2018 comemorando seus 10 anos de história contando não só sua história pelo carnaval virtual mas sim Histórias de nós, Dragões. Por isso estou tão feliz… Mostraremos como os dragões estão nas histórias de todos os povos do mundo, seja como símbolo de sabedoria e prosperidade, seja como personificação da maldade. Sendo bom ou sendo mal, os dragões chegaram ao carnaval e encantam a todo o povo seja na avenida ou telinha virtual…

Diego: Dragão, sabendo dessa felicidade, como foi ter começado a carreira no oriente?
Dragão: Roooooaaar – Rooooooaaaar – Rooaaar – puft! (sinais de explosões de fogos no ar)
Diego: Ah, entendi! Parece que ele é feliz e esteve no meio de uma queima de fogos!
Dragão: Bem, estamos por aí desde os inícios dos tempos, saímos com Pan Chi do ovo cósmico que criou o universo e por isso cuidamos do mundo e trazemos a sabedoria do tempo. Cuidamos para que os seres humanos não destruam a natureza e fazemos com que estes tenham prosperidade quando a preservam.
Na Suméria, uma de nós, a deusa Tiamat, era venerada por ter criado todos os elementos, junto com seus vários filhos de nossa estirpe. No Japão demos origem à linhagens de sábios soberanos. Acompanhamos Buda em sua passagem iluminada por este planeta, sendo inclusive eleitos por ele para ser um dos animais guias do horóscopo chinês. Apalala, um de nós, recebeu o perdão de Buda por ter atacado os humanos em sua ira.
Marco Polo foi o responsável por trazer nossos augúrios de prosperidade e sabedoria do oriente para o ocidente, juntamente com as especiarias, sedas e tudo que encantou a nobreza europeia, e os fez mais curiosos pelos mistérios orientais.

Diego: Dragão, e sobre a chegada ao Ocidente? O que tem para nos contar?
Dragão: Rooar – Roar- Roar – BUM! (Sinais de explosão de bola de canhão)
Diego: É, parece que teremos outra passagem explosiva no enredo!
Dragão: Não fomos bem recebidos por ali. A igreja viu aquilo como um desafio ao seu poder, nos retratou como bestas e representantes de tudo que havia de mal na Terra. Foram buscar mitos antigos, como quando fomos difamados por Euristeus que mandou Hércules matar uma de nossas irmãs em seu segundo dos 12 trabalhos. Os persas também nos retrataram com maus e sanguinários ao tratar Zahhak como um demônio à ser vencido, só por ser descendente de Tiamat, uma das principais deusas dos sumérios e babilônios, estes últimos que dominavam o território persa. Nos montes poloneses, em Wawel, nos acusaram sermos demônios que cuspiam o fogo do inferno. Mas depois de darem um bezerro cheio de carvão e enxofre como oferenda à nosso irmão, o que queriam? Que tivéssemos hálito de rosas no verão? Nos acusaram de querer sacrifícios humanos, até mesmo de princesas, para não envenenar lagos e rios, como na lenda de São Jorge. Humanos, sempre colocando a culpa de seus atos de ignorância em ganância nos outros, éramos a bola da vez.

Diego: Dragão, sobre ser vilão e herói nas histórias? É legal?
Dragão: Rooooar – Roaar (sinais de donzela em perigo)
Diego: Ah tá!
Dragão: Roooooaaaar – Rooooooaar – Roooar Pam pararam pararam (sinal de músculos e flauta do dragãozord)
Diego: Oh! Power Rangers? Parece que alguém aqui é famoso!
Dragão: A idade média foi um período terrível para nós. Até nas histórias infantis éramos retratados como comedores de criancinhas ou carcereiros de princesas, é só ver a história da Bela Adormecida. Éramos considerados os fiéis companheiros das bruxas e feiticeiras, aquelas que ousavam desafiar o patriarcado e as regras da igreja ao se aproximar mais de uma vida mais próximas da natureza, a origem de todos nós.
Nos imaginaram de várias formas, mas sempre répteis, lagartos e cobras, estavam presentes, sendo misturados para criar uma forma que pudessem compreender, amar ou temer. Desta forma estávamos sempre no dia a dia das pessoas, sendo bons ou maus. Em alguns casos, a nossa dita ferocidade era representada nas carrancas de barcos ou até mesmo como símbolos de forças especiais de exércitos para que os inimigos se amedrontassem…
Muitos passaram a se comunicar espiritualmente conosco, uma vez que não nos materializamos mais em seu mundo, apenas em condições muito especiais, como nesta entrevista. Sendo assim fomos elevados ao status de criaturas místicas, o que nos enche de honra.
A veneração é tão notória que estamos espalhados em vários aspectos das culturas de todas as nações do planeta. Caímos no gosto popular seja como monstros arrasando Tóquio ou como mestres do Kung fu. Nas telas somos protetores de reis em um mundo mágico e em diversas animações somos companheiros, mentores ou protetores de adultos e crianças. Às vezes guardamos a sabedoria e poder do mundo em esferas e às vezes somos simplesmente animais de temperamento esquentado que não querem receber ordens de ninguém. Podemos fazer a transição entre o mundo da fantasia e o mundo real de formas por muitas vezes inimagináveis.
Diego: Dragão, para encerrar, você é festeiro? Gosta de Samba?
Dragão: Rooooarr- Rooarrr – ROOOOAAAR (Pega chapéu de malandro e cospe fogo)
Diego: É, pessoal, parece que temos um sambista nato!

Dragão: Claro que gosto de festa. Estamos presentes nos momentos de comemoração dos humanos que agradecem por um bom ano ou então nos pedindo boa sorte e prosperidade para um ano que se inicia sob nossa proteção. Seja no país mais populoso ou seja no país mais animado do mundo estamos nos braços do povo.
No Brasil nos tornamos clássico do cancioneiro popular em homenagem àqueles que lutaram por seus direitos. Essa associação com o samba deu muito certo e nos tornamos símbolo de agremiações carnavalescas em seus centros mais famosos, seja no Rio, São Paulo ou Manaus, uma delas, inclusive, sendo quase a maior vencedora da festa no ano que se passou
Também estamos tomando de assalto a folia virtual que enche as telas de alegria. Já fomos campeões com a Dragões do Império no início da festa, e hoje somos três coirmãs a abrilhantar à festa… Sejamos do Samba ou do Rio de Janeiro, somos Lendários por estarmos não por seis + seis + seis vezes no carnaval virtual. Estamos à dez primaveras abrilhantando o Carnaval Virtual e por isso trazemos com muita honra, a nossa história ao carnaval.

Diego: Obrigado, Dragão pela entrevista! Espero que tenha sucesso e a sua agremiação quebre o tabu de só atingir o 6º lugar! Quer deixar uma mensagem para sua comunidade?
Dragão: ROAAAAAAAAAAAAAR (Lança chamas que torra a cara do repórter)
Diego: Por hoje é só, pessoal!

PESQUISADORA DO ENREDO: MARLENE MARTIMIANO
TEXTO: ISAC FERREIRA (Com participação especial de Diego Araújo)

Author: Carnaval Virtual

Share This Post On