Regulamento Oficial do Grupo Especial

REGULAMENTO INSTITUÍDO PARA A ORGANIZAÇÃO DOS DESFILES DAS ESCOLAS DE SAMBAS VIRTUAIS DO GRUPO ESPECIAL PARA O CARNAVAL DE 2020.

Título I – DA ORGANIZAÇÃO DOS DESFILES

Artigo 1º – Os Desfiles das Escolas de Samba do Carnaval Virtual, no ano de 2020, obedecerão às normas contidas no presente Regulamento.

 

Capítulo I: Das Obrigações do Carnaval Virtual

Artigo 2º – O Carnaval Virtual é o responsável principal pelo suporte à montagem dos desfiles, que serão exibidos via Internet, em “passarela digital”, produzida em arte gráfica, onde o material visual de cada agremiação será disposto.

 

Capítulo II: Das Datas e Horários dos Desfiles

Artigo 3º – Os Desfiles do Grupo Especial serão realizados nos dias 02/10/2020 e 03/10/2020, em horário a ser definido e divulgado mediante nota oficial.

 

Capítulo III: Dos Desfiles

Artigo 4º – Observando o resultado do Carnaval Virtual 2019, o Grupo Especial do Carnaval Virtual será composto por 16 (dezesseis) Escolas de Samba Virtuais (ESVs), sendo elas, em ordem alfabética:

A.R.E.S.V. Arranco da FGAF;
E.S.V. Nobreza da Baixada;
G.R.C.E.S.V. Ponte Aérea;
G.R.E.S.V. Bohêmios Samba Club;
G.R.E.S.V. Flor de Lótus;
G.R.E.S.V. Imperatriz Itaocarense;
G.R.E.S.V. Imperiais do Samba;
G.R.E.S.V. Império da Praça XI;
G.R.E.S.V. Império do Rio Belo;
G.R.E.S.V. Independentes;
G.R.E.S.V. Mocidade;
G.R.E.S.V. Morro do Esplendor;
G.R.E.S.V. Primeira Estação do Samba;
G.R.E.S.V. União da Gávea;
G.R.E.S.V. Unidos do Tijucano
Sociedade Águia Real.

Artigo 5º – A não participação das ESVs relacionadas no presente dispositivo nos desfiles resultará nas punições previstas no Estatuto do Carnaval Virtual.

 

Capítulo IV: Da Ordem dos Desfiles

Artigo 6º – O sorteio que definirá a posição das escolas de samba componentes do Carnaval Virtual será organizado através de sorteio geral, realizado ao vivo, através de aplicativos digitais de transmissão em tempo real via streaming, em data e horário a ser definido através de publicação no Painel Deliberativo, podendo, inclusive, ser realizado em caráter presencial. E será realizado em duas partes;

Parágrafo 1º – A primeira parte definirá o dia de desfile segundo os seguintes ritos:

– Serão dois potes: pote nº 1: nome das escolas por pares e pote nº 2: nomes SEXTA e SÁBADO;
– O responsável pelo sorteio seguindo a ordem dos pares das escolas-par irá sortear colocando no pote nº 1 o nome das 02 escolas que compõe o par, a sorteada terá direito a escolher seu dia de desfile num prazo de 60 segundos no GRUPO DO SORTEIO no whatsapp, caso o responsável pela escola não se prontifique, será sorteado no Pote nº 2 seu dia de desfile.

Parágrafo 2º – A definição da ordem de desfile, em cada um dos dias, acontecerá da seguinte forma:

– Serão dois potes para cada dia. O pote nº 1 terá o nome de cada agremiação para aquele dia e o pote nº 2: numerações de 1 a 8 para SEXTA e 1 a 8 para SÁBADO)
– Após definido quais escolas desfilarão em cada dia de desfile, será definido a ordem de desfile dos referidos dias, começando pela SEXTA-FEIRA.
– O responsável pelo sorteio sorteará no pote nº 01 uma escola, e no pote nº 2 o número da ordem de desfile. Seguindo o padrão que 01 abre o desfile e 08 fecha a noite.

Artigo 7º – Serão definidos, e divulgados em nota oficial que tratará a respeito do sorteio, os pares de ESVs a serem observados no sorteio da ordem de desfiles do Grupo Especial.

Parágrafo Único – Por par, entenda-se agremiação que necessariamente não desfilará na mesma noite na qual participará a ESV com a qual esta foi pareada. Os pares definidos pelo regulamento com base no último carnaval são:

Águia Real x Bohemios Samba Club
Mocidade x Imperiais do Samba
Império do Rio Belo x Imperatriz Itaocarense
Império da Praça XI x Primeira Estação do Samba
Flor de Lótus x Ponte Aérea
Arranco da FGAF x União da Gávea
Morro do Esplendor x Nobreza da Baixada
Independentes x Unidos do Tijucano

Artigo 8º – Após os sorteios, as ESVs poderão efetuar trocas de posições, no período de 20 (vinte) minutos, desde que em comum acordo com a ESV da vaga pleiteada. Aferindo a troca, as duas escolas deverão assinalar a concordância através de tópico específico no Painel Deliberativo do Carnaval Virtual, dentro do prazo determinado para trocas.

Parágrafo 1º – ESVs poderão trocar sua posição de desfiles apenas dentro do dia em que foram sorteadas.

 

Capítulo V: Da Escolha do Título do Enredo e da Entrega da Sinopse

Artigo 9º – As ESVs do Grupo Especial definirão o título do enredo e entregarão a sinopse para a Diretoria Artística do Carnaval Virtual até às 23h59min do dia 22/03/2020. A forma de entrega deverá ser definida através de publicação no Painel Deliberativo.

Parágrafo 1º – Por “sinopse” entende-se o texto divulgado aos compositores para a confecção do samba-enredo, podendo trazer o enredo completo, inclusive setorizado, ou um resumo dos pontos principais do enredo.

Parágrafo 2º – A divulgação das sinopses por parte do portal SRZD Carnaval Virtual segue um padrão cronológico específico, que pode fazer com que o lançamento de uma sinopse, ainda que entregue até a data acima citada, aconteça depois deste limite. Este “atraso” não acarretará perda de pontos para a agremiação, desde que respeitada a data-limite por parte da mesma.

Parágrafo 3º – Além da sinopse, em anexo próprio, a escola deverá enviar as regras do concurso para que elas sejam publicadas em momento posterior à sinopse. As regras devem conter a data máxima para que os compositores enviem seus sambas para a escola, a data da final, o e-mail para envio da letra e do áudio e o que mais a agremiação julgar necessário.

Parágrafo 4° – Fica proibida a reutilização de enredo já divulgado por escolas em anos anteriores, mas que, em virtude de acontecimentos diversos não chegaram a ser apresentados na avenida.

Artigo 10º – O não envio da sinopse oficial no prazo regulamentar, bem como das regras (ou da sinalização de tratar-se de samba por encomenda), resultará na punição de 0,5 (meio) ponto.

 

Capítulo VI: Do Recadastro Anual de Informações das Agremiações Inscritas

Artigo 11º – Anualmente, seguindo critérios definidos pela Diretoria Administrativa, será realizado o Recadastro Anual de Informações das Agremiações Inscritas. Nesse cadastro constarão informações referentes às agremiações virtuais específicas do ano corrente.

Parágrafo 1° – As ESVs deverão realizar o recadastramento até a data de 08/03/2020, sob pena de ser punida conforme parágrafo 2°.

Parágrafo 2° – A ESV que não realizar o cadastro anual dentro dos prazos estabelecidos será automaticamente desfiliada dos quadros do Carnaval Virtual seguindo pronunciamento do Painel Deliberativo que deverá ser publicado em site compatível (http://www.srzd.com/carnaval).

 

Capítulo VII: Da Escolha do Samba-Enredo e Sua Divulgação

Artigo 12º – O samba-enredo deverá ser inédito, sendo este escolhido em concurso realizado virtualmente ou encomendado a compositores de escolha do presidente da ESV, previamente comunicados à Direção Artística.

Parágrafo 1º – Em caso da opção por concurso, a ESV deverá respeitar os seguintes termos:

– Qualquer integrante do Carnaval Virtual, incluindo os membros da escola, poderão participar do concurso;
– O concurso será considerado aberto no momento da divulgação de sua sinopse, caso a agremiação não explicite a realização de encomenda em tal ato.

Parágrafo 2º – Em caso de encomenda, a ESV deverá respeitar os seguintes termos:

– A ESV deverá explicitar que encomendará o samba-enredo no momento da divulgação da sinopse;
– Não é necessário explicitar os compositores a quem a obra foi encomendada no momento da divulgação da sinopse.
– Não será permitida a encomenda de samba-enredo ao presidente da própria ESV.

Parágrafo 3º – Está liberada a utilização de sambas concorrentes não escolhidos em disputas do Carnaval Real, desde que regravados pela agremiação virtual, com autorização expressa por escrito e assinada pelos compositores do samba. Além disso, a ESV deve fornecer à direção do Carnaval Virtual o contato (número de celular e/ou e-mail) do(s) compositor(es) para que se possa verificar a veracidade do documento. Cabe à ESV toda a responsabilidade legal em relação à utilização do samba e em relação às questões de direitos autorais.

Parágrafo 4º – Caso seja evidenciada qualquer fraude na escolha do samba-enredo, a ESV será penalizada em 02 (dois) pontos no Item Obrigatoriedades.

Parágrafo 5° – Fica proibida a reutilização de samba enredo já divulgado por escolas em anos anteriores, mas que, em virtude de acontecimentos diversos não chegaram a ser apresentados na avenida.

Artigo 13º – Os sambas concorrentes deverão ser enviados seguindo critérios definidos em publicação no Painel Deliberativo e, posteriormente divulgados no SRZD Carnaval Virtual em forma de áudio e/ou forma de letra, quando do final do prazo estipulado pela agremiação para recebimento das obras.

Parágrafo Único – A não divulgação prévia dos sambas concorrentes, em qualquer mídia/local público, sujeita a ESV à desclassificação, mediante parecer da Diretoria Artística e anuência do Painel Deliberativo.

Artigo 14º – A duração do Concurso de Samba-Enredo das ESVs do Grupo Especial será de responsabilidade da agremiação e terá duração até o dia 19/04/2020. O último dia do concurso da ESV será identificado como sua “Final”, ficando a agremiação responsável pela transmissão de tal evento, podendo delegar o poder de transmissão a outra pessoa capacitada.

Parágrafo Único – Não se aplica aos efeitos e prazos contidos neste artigo, as agremiações ingressantes na Maratona de Finais de Samba de Enredo. Estas ficarão resguardadas pelos efeitos contidos no Capítulo IX.

 

Capítulo VIII: Da Maratona de Finais de Samba de Enredo

Artigo 15º – Entre os dias 20/03/2020 e 24/05/2020 será realizado o evento denominado “Maratona de Finais de Samba de Enredo”, a ser transmitido pela Rádio do Carnaval Virtual via streaming, no qual as agremiações do Grupo Especial poderão apresentar suas finais com apoio e produção da Diretoria Artística do Carnaval Virtual;

Parágrafo 1° – O Carnaval Virtual organizará agenda própria de transmissão, em publicação a ser disponibilizada no Painel Deliberativo, observando o limite de agremiações definido, e recomenda as agremiações que utilizem este período para realização de suas finais de samba-enredo.

Parágrafo 2º – A agremiação que pleitear agendamento na Maratona de Finais de Samba Enredo e tiver o agendamento confirmado mediante publicação no Painel Deliberativo e/ou Nota Oficial, a título de definição do prazo final para realização das eliminatórias, considerará o dia do agendamento como última data de entrega dos sambas concorrentes.

Parágrafo 3º Poderão, durante o curso de um dia vigente, ocorrer até 05 (cinco) eliminatórias e/ou Finais de agremiações distintas.

Parágrafo 4° – Durante este período, a responsabilidade pela condução das transmissões oficiais ficará a cargo do Carnaval Virtual.

 

Capítulo IX: Da Gravação e Demais Disposições Relativas ao Samba de Enredo

Artigo 16º – A ESV que não respeitar o prazo para a realização de sua final e apresentação de seu samba, seja por critérios próprios ou divulgação pela Maratona de Finais de Samba de Enredo, perderá 0,5 (meio) ponto por dia de atraso, contados a partir do primeiro segundo do mesmo.

Parágrafo 1º – A escola poderá fazer posteriormente pequenas alterações na letra e na melodia do samba escolhido no concurso, objetivando a melhor adequação ao enredo e ao canto do intérprete.

Parágrafo 2º – É permitida a fusão entre dois ou mais sambas concorrentes, desde que a mesma seja anunciada na final do concurso (sugere-se que as ESVs informem nas regras do concurso a possibilidade de fusão, a fim de deixar cientes os compositores sobre o fato).

Parágrafo 3º – A gravação poderá ser totalmente amadora ou feita em estúdio profissional. Recomenda-se uma gravação com pelo menos duas passadas inteiras do samba para facilitar uma possível edição do áudio.

Parágrafo 4º – O Carnaval Virtual, na figura das suas diretorias, se dispõe a auxiliar as Escolas com problemas técnicos para a realização de gravação amadora, desde que avisado com antecedência.

Parágrafo 5º – O Carnaval Virtual disponibilizará estúdio profissional, no formato de pacote, ou seja, com um pool de agremiações signatárias e regidas sob os mesmos critérios. Será facultado às agremiações escolherem esse meio de gravação do samba-enredo, uma vez que trata-se de opção que envolve dispêndios financeiros.

Parágrafo 6° – As gravações em estúdios profissionais a que se referem o parágrafo anterior serão realizadas entre os dias 16/04/2020 a 06/06/2020;

Parágrafo 7° – A divulgação do samba-enredo oficial das agremiações será feita através do portal SRZD Carnaval Virtual e site do Carnaval Virtual em áudio e letra, devendo as escolas encaminhar o áudio final pelos critérios definidos em publicação feita, em período pertinente, pela direção do Carnaval Virtual no Painel Deliberativo.

I – A ESV que não entregar o áudio final até à data estipulada pela direção do Carnaval Virtual receberá a penalidade de 0,5 (meio) ponto por dia de atraso.

Parágrafo 8° – A ESV que não entregar a gravação final, versão CD OFICIAL até o dia 01/08/2020 receberá a penalidade de 0,5 (meio) ponto por dia de atraso, sessando a penalização com o regular envio do material;

I – Caso após o terceiro dia, de atraso, a escola não envie a gravação, esta não participará do CD OFICIAL do corrente ano, além de ser penalizada conforme parágrafo 8°.

 

Capítulo XI: Da Direção dos Desfiles

Artigo 17° – As agremiações que optarem pela reedição deverão observar as disposições a seguir:

Parágrafo 1° – A reedição será permitida apenas para enredos já apresentados a pelo menos 5 (cinco) anos antes do carnaval ao qual será reeditado;

Parágrafo 2° – Deverá ser fornecido pela agremiação, imagens, áudios ou documentos semelhantes, que provem a ciência e autorização do (s) autor (s) do enredo e compositor (s) do samba enredo, em questão. Deverá ainda, apresentar a agremiação, junto a Liga Carnaval Virtual, o contato do (s) autor (s) do enredo e compositor (s) do samba enredo, para a averiguação da veracidade dos documentos apresentados;

Parágrafo 3° – Caberá também a agremiação que reeditará o enredo, apresentar documento que comprove a autorização da agremiação, através de seu presidente, que fez a utilização do mesmo em ano anterior;

Parágrafo 4° – Fica obrigada a agremiação que fará a reedição, regravar o áudio do samba enredo, não podendo assim reutilizar o áudio já gravado em carnaval anterior;

Parágrafo 5° – A escolha da agremiação pela reedição, não a desincumbe do cumprimento dos demais prazos e limites apresentados neste regulamento.

 

Capítulo XI: Da Direção dos Desfiles

Artigo 18º – Cabe ao Presidente Do Carnaval Virtual, com apoio de sua Direção Artística, a Direção dos Desfiles.

Parágrafo Único – São atribuições da Direção Artística:

– Supervisão, coordenação e auxílio da montagem e exibição dos desfiles;
– Cronometragem do desfile;
– Verificação das demais obrigatoriedades regulamentares.

Artigo 19º – O material audiovisual do desfile é composto pelos seguintes elementos:

– Página oficial, contendo os elementos visuais do desfile;
– Organograma detalhado;
– Áudio do samba ao vivo.

Parágrafo Único – O modelo do organograma será disponibilizado pelo Carnaval Virtual e deverá ser seguido como padrão por todas as Escolas de Samba Virtuais. Caso a escola utilize modelo diferente, perderá 0,5 (meio) ponto no Item Obrigatoriedades.

Artigo 20º – A entrega do material audiovisual consistirá na montagem da página oficial a ser realizada pelas ESVs, a partir do direcionamento da Direção Artística. Caso a Direção Artística encontre solução equivalente e que ofereça maior segurança na entrega dos dados, poderá optar por esta solução e a alteração do formato de entrega será divulgada em Nota Oficial.

Parágrafo 1º – A Direção Artística tem o direito de isentar-se de falhas na montagem da página oficial de desfile, que é de responsabilidade das ESVs. Solicita-se atenção ao risco de apresentar menos elementos de desfile do que o mínimo permitido, além da perda de pontos estilísticos por motivo de defasagem em sua organização.

Parágrafo 2º – A Direção Artística, em caráter de auxílio, realizará a verificação da página montada e informará sobre possíveis erros flagrantes, vinculados exclusivamente às operações da página de desfile, desde que seja solicitada em tempo hábil, com no mínimo 72h (setenta e duas horas) antes do prazo final de montagem.

Artigo 21º – A Presidência do Carnaval Virtual, bem como a Direção Artística terão acesso às páginas montadas pelas ESVs. Ademais, a Direção Artística realizará a verificação imediata, após o fim do prazo de montagem, e apontará em seguida casos de atraso.

Parágrafo 1° – Caso seja possível e tecnicamente viável, ao término do prazo para montagem, os logins das escolas deixarão de funcionar para alterações na página, evitando possíveis modificações além do prazo.

Parágrafo 2° – Caso as ESVs necessitem efetuar modificações após o prazo final, deverão solicitar a Direção Artística, que avaliará a situação e supervisionará a alteração, tendo estas alterações a configuração de atraso e sendo passíveis das devidas punições.

Parágrafo 3° – Todas as modificações feitas pelas ESVs ficarão registradas em histórico contendo data e hora, na própria página de montagem dos desfiles. Havendo qualquer postagem após o prazo, a Diretoria Artística acionará a agremiação e enquadrará a conduta nos casos possíveis de punições regulamentares.

Artigo 22º – A parte visual dos desfiles será exibida na página oficial do Carnaval Virtual (www.carnavalvirtual.com.br). Em caso de necessidade, poderá ser usado endereço alternativo.

Parágrafo Único – A exibição do áudio ao vivo será feita por meio de web rádio competente e/ou por meios alternativos, caso necessário, a serem estabelecidos pela Direção Artística.

Artigo 23º – Em relação aos elementos visuais a serem apresentados:

– Os desenhos deverão ser inéditos, sendo proibida a cópia ou adaptação de fantasias e alegorias, seja de outros artistas ou de autoria própria, mesmo que com pequenas alterações de conteúdo, o mesmo se aplica a outros veículos, tais como:

I – Enredo;
II – Sinopse;
III – Samba Enredo;
IV – Gravação;

– Os desenhos deverão possuir fundo branco ou transparente;
– Os desenhos poderão ser feitos a mão, escaneados ou fotografados (de forma legível), ou elaborados com a ajuda de programas de computador;
– Os desenhos devem corresponder ao que representam, não sendo considerado outros tipos de imagens ou textos como parte da página montada;
– É permitida a presença de elementos animados no desfile de cada ESV., não havendo limitações quanto a seu uso.
– É vedada a utilização de efeitos irrealistas (como exemplo a utilização de auras ou pedestais em alas, bem como estruturas impossíveis de serem realizadas), sendo que os mesmos serão punidos exclusivamente pelos jurados, seguindo direcionamento do Manual de Julgamento.

Parágrafo Único – A respeito dos incisos do primeiro e terceiro destaque deste artigo, exclui-se a proibição de adaptações em hipóteses de reedições.

Artigo 24º – Constatada a irregularidade por parte da Direção Artística em relação aos elementos visuais apresentados, haverá a comunicação imediata à ESV, que realizará as alterações a partir dos seguintes parâmetros:

– Até 25% dos elementos visuais com irregularidades: perda de 0,2 (dois décimos) por desenho e prazo de 24 horas para correção;
– Entre 26% e 50% dos elementos visuais com irregularidades: perda de 3 pontos e prazo de 24 horas para correção;
– Acima de 51% dos elementos visuais com irregularidades: o desfile será considerado simbólico, não fazendo parte do julgamento oficial e a ESV sendo rebaixada ao grupo imediatamente inferior, se for o caso.
– Parágrafo Único – caso não seja realizada a correção das irregularidades, ou a exclusão dos elementos irregulares do desfile, o desfile será considerado simbólico, não fazendo parte do julgamento oficial e a ESV sendo rebaixada ao grupo imediatamente inferior, se for o caso.

 

Título II – DOS PRAZOS E LIMITES REGULAMENTARES

Artigo 25º – Caberá à Direção Artística a verificação das obrigatoriedades regulamentares.

Parágrafo Único – Ao fim de cada prazo regulamentar a Direção Artística divulgará Nota Oficial informando eventuais irregularidades e punições às agremiações. Eventuais irregularidades e punições inerentes especificamente aos desfiles serão divulgadas em ocasião da apuração.

Artigo 26º – É permitida a divulgação de desenhos ou detalhes dos trabalhos de cada agremiação, desde que não sejam divulgadas imagens inteiras de elementos dos desfiles e/ou várias partes recortadas de uma única imagem. O descumprimento de qualquer ponto deste artigo acarretará perda de 1,0 (um) ponto.

Parágrafo 1° – A divulgação não é obrigatória.

Parágrafo 2° – Caso a agremiação opte pela divulgação, a mesma deverá ser realizada em matéria no Portal SRZD Carnaval Virtual. Após a publicação, o material poderá ser compartilhado nos demais meios de comunicação da escola.

 

Das Disposições Relativas ao Envio do Material Audiovisual

Artigo 27º – As ESVs do Grupo Especial deverão entregar a página oficial do desfile, o roteiro do desfile, o organograma oficial e o áudio oficial “ao vivo” até às 23h59min, do dia  29/09/2019.

Parágrafo 1º – A violação do presente dispositivo acarretará na perda de 01 (um) ponto por dia de atraso para cada item, sendo o prazo máximo de atraso em 03 (três), desde que o atraso não extrapole as 20 horas do dia 02 de outubro de 2020 (equivalente a 1 hora antes do início agendado dos desfiles). Extrapolado tal prazo, a agremiação fica impossibilitada de se apresentar, sendo automaticamente desclassificada.

 

Das Disposições Relativas ao Samba-Enredo e Ao Vivo

Artigo 28º – Caberá à Direção Artística a cronometragem do samba ‘ao vivo’ de cada escola, que deverá atender ao limite mínimo de 25 (vinte e cinco), e máximo de 30 (trinta) minutos. A agremiação que não respeitar os limites mínimos ou máximos estabelecidos sofrerá um desconto de 0,5 (meio) ponto por minuto ausente ou excedente.

Parágrafo 1º – É facultada a utilização de esquenta, fala do presidente, alusivo e de grito de guerra, que será flexível dentro do tempo oficial de desfile.

Inciso Único – O esquenta deverá obrigatoriamente ser com samba da própria escola ou de outra agremiação virtual devidamente autorizado, ou ainda de samba do carnaval real, desde que com a anuência por escrito dos compositores da obra, e entregue à Diretoria Artística;

Parágrafo 2° – Constatada qualquer irregularidade no tempo do áudio, a Direção Artística se pronunciará sobre eventual punição à agremiação no quesito Obrigatoriedades em ocasião da apuração.

 

Das Disposições Relativas às Alegorias e Elementos Alegóricos

Artigo 29º – As ESVs do Grupo Especial deverão apresentar obrigatoriamente de 04 (quatro) a 06 (seis) carros alegóricos, sendo ora facultativa a utilização de tripés ou quadripés, no máximo até o número de 03 (três). As agremiações estão sujeitas à perda de 1,5 (um e meio) pontos caso apresentem um número de alegorias acima do máximo ou abaixo do mínimo e a perda de 0,5 (meio) ponto por tripé excedente ao previsto neste regulamento.

Parágrafo 1º – Os tripés da Comissão de Frente são facultativos e não entram na contagem de alegorias.

Parágrafo 2° – Mesmo que montado na mesma imagem e como mesmo elemento do desfile, tripés desenhados separadamente, sem nenhuma ligação, serão considerados como elementos diferentes.

Parágrafo 3° – Entende-se por tripé ou quadripé a estrutura alegórica que contenha no máximo 01 (um) destaque, que deverá ter apresentação evidente e ser devidamente descrito no organograma de desfile da agremiação.

Inciso Primeiro – Caso a escola apresente mais de um destaque no tripé e/ou quadripé, este será contado como carro alegórico;

Inciso Segundo – Havendo no elemento qualquer figura humana da mesma proporção, forma, cor, tamanho, ou que leve ao entendimento de haver um segundo destaque e/ou composição alegórica, não havendo justificativa ou argumentação plausível no organograma, aplicar-se-á interpretação de tratar-se de um destaque e, por consequência, o elemento será classificado como carro alegórico.

Das Disposições Relativas aos Componentes e Alas

Artigo 30º – A Comissão de Frente é elemento obrigatório no desfile e deve estar identificada como tal obrigatoriamente, tanto na página de desfile quanto no organograma, na descrição dos elementos do desfile. Sua ausência acarretará a perda de 1,0 (um) ponto para a escola.

Artigo 31º – Com relação aos casais de Mestre Sala e Porta Bandeira, cada agremiação deverá apresentar entre 01 (um) a 03 (três) casais, estando sujeita à perda de 1,0 (um) ponto por casal acima do máximo ou em caso de ausência total de casais. O(s) casal(is) deve(m) estar identificado(s) como tal obrigatoriamente tanto na página de desfile quanto no organograma, na descrição dos elementos do desfile.

Parágrafo Único: É obrigatória a presença do pavilhão (bandeira) da escola. A ausência do pavilhão implica num desconto de 0,5 (meio) por casal sem pavilhão.

Artigo 32º – Com relação ao número de alas, cada agremiação deverá apresentar de 20 (vinte) a 35 (trinta e cinco) alas, estando sujeita à perda de 0,5 (meio) ponto por ala acima do máximo ou abaixo do mínimo no desfile.

Artigo 33º – Elementos facultativos, tais como Porta-Estandartes, grupo de Guardiões de Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira, destaques de chão, presença ilustrativa de Presidente, Intérprete, Carnavalesco (bem como quaisquer outro elementos que não configurem alas, alegorias, tripés, casais de Mestre-Sala e Porta-Bandeira ou Comissão de Frente), estão limitados ao número de 05 (cinco) por agremiação, não contando como alas, estando sujeita à perda de 0,5 (meio) ponto por elemento facultativo acima do máximo no desfile.

Parágrafo 1º – Com exceção do grupo de Guardiões de Casal de Mestre Sala e Porta-Bandeira, nenhum dos demais elementos facultativos serão considerados em conjunto, mas sim individualmente (P. ex: a presença de dois destaques de chão em uma única imagem serão considerados como 02 elementos facultativos e não como um único conjunto de elementos facultativos).

Parágrafo 2º – Não são considerados elementos facultativos as figuras de rainha ou rei de bateria. Uma vez constando, devem ser incluídos como elementos pertencentes a “ala de bateria”, não entrando em nenhuma contagem que não seja a contagem pertencente à própria ala.

Artigo 34º – São estritamente obrigatórias as seguintes alas: Bateria, Baianas e Velha Guarda no desfile, entra na contagem oficial de alas, e deve estar identificada como tal obrigatoriamente tanto na página de desfile quanto no organograma, na descrição dos elementos do desfile. Suas ausências acarretará a perda de 1,0 (um) ponto cada;

Parágrafo 1º – A ausência de um dos sexos na Velha Guarda acarretará a perda de 0,5 (meio) ponto na ausência de um dos sexos e 1,0 (um) ponto pela ausência de ambos os sexos. A Velha Guarda poderá, alternativamente, vir em uma alegoria. Nesse caso, a mesma deverá estar especificada na descrição da alegoria no organograma, e deve estar visível no desenho.

Parágrafo 2º – A ala de Bateria deve constar em desenho com instrumentos, em caso da ausência dos instrumentos a mesma será considerada como ala comum e acarretará a perda de 1,0 (um) ponto por ausência da ala de bateria.

Artigo 35º – As Alas de Compositores, a Ala das Damas e Baianinhas, e Passistas são facultativas, mas entram na contagem oficial de alas caso a escola opte por tê-las.

 

Título III – DO JULGAMENTO DOS DESFILES

Capítulo X – Do Julgamento e Apuração dos Desfiles

Artigo 36º – O Corpo de Julgadores será formado de acordo com as regras estabelecidas pelo Painel Deliberativo e promulgadas pelo Presidente do Carnaval Virtual em seu estatuto. Cada grupo terá seu próprio corpo de julgadores, podendo ter até 25% (vinte e cinco por cento), isto é, um em cada quatro, de pessoal compartilhado entre os corpos de julgadores do Grupo Especial e de Acesso. Ao menos 25% dos julgadores dos quesitos conjunto, fantasias e alegorias deverão ser artistas que trabalham com arte digital.

Artigo 37º – São quesitos em julgamento, cada um contando com 04 (quatro) julgadores:

1. Conjunto;
2. Samba-Enredo;
3. Enredo;
4. Alegorias e Adereços;
5. Fantasias

Artigo 38º – Cada Julgador concederá a cada Escola de Samba notas de 08 (oito) a 10 (dez) pontos, com fracionamento de 0,1 (um décimo).

Parágrafo 1º – O Carnaval Virtual fornecerá aos Julgadores o Mapa de Notas, que conterá espaço para notas, as justificativas (que são obrigatórias para as notas inferiores a 10 pontos) e demais observações pertinentes. O mapa, depois de entregue, não poderá ser substituído de forma alguma e por motivo nenhum.

Parágrafo 2º – Dentre as notas aplicadas pelos jurados, a que tiver menor avaliação (nota mais baixa) será obrigatoriamente excluída, sendo contabilizadas na soma do resultado da apuração somente as três maiores notas aplicadas a cada um dos quesitos propostos.

Parágrafo 3º – Caso o jurado atribua nota menor que o mínimo permitido, esta nota será automaticamente substituída pela nota mínima prevista no caput deste artigo.

 

Título IV – DA APURAÇÃO

Artigo 39º – A leitura das notas do Carnaval Virtual acontecerá em dia, horário e local a ser anunciado mediante publicação no Painel Deliberativo, com o respectivo serviço de streaming competente, podendo ser transmitido, também, por meio alternativo, se a organização do desfile achar necessário.

Parágrafo 1º – A apuração será conduzida pelo Presidente do Carnaval Virtual, Diretor Administrativo do Carnaval Virtual, ou pessoa indicada pelo Presidente para que se realize a leitura das notas. O orador das notas primeiramente confirmará, junto à Direção Artística, as punições que serão atribuídas a cada agremiação, e, na sequência, as notas atribuídas pelos julgadores.

Parágrafo 2º – A ordem de leitura dos quesitos será definida em sorteio.

Parágrafo 3° – A apuração poderá ser realizada em caráter presencial, contando os membros das agremiações participantes no local.

Artigo 40º – As obrigatoriedades serão o primeiro critério de desempate. Caso não haja condições para tal, recorrer-se-á, sucessivamente, as notas concedidas em cada quesito, inclusive as que foram descartadas, na ordem inversa de precedência que foi estabelecida em sorteio, ou seja, o primeiro quesito como desempate será o último quesito lido, juntamente com a sua última nota lida, incluindo os descartes atribuídos. Caso persista o empate, ambas as agremiações serão declaradas vencedoras do Carnaval Virtual vigente.

Parágrafo Único – Caso falte um jurado, será convocado um reserva. Na hipótese de inexistência de jurado, será atribuída a nota 10 no quesito para todas as escolas.

Artigo 41º – As justificativas serão divulgadas, tão logo possível, após o término da apuração, no site oficial do Carnaval Virtual. As ESVs terão prazo máximo de 48 horas a partir da publicação das justificativas para apresentar queixas a Direção dos Desfiles, sobre assuntos referentes à apuração, que deverão ser analisados. Após o término deste prazo, o resultado final do Carnaval Virtual 2020 será homologado e o Presidente do Carnaval Virtual declarará encerrado o mesmo, abrindo o começo do período preparatório para o Carnaval Virtual 2021.

 

Título V – DO DESFILE DAS CAMPEÃS

Artigo 42º – O Desfile das Campeãs poderá ocorrer em dia, data e hora, a serem definidos pela Diretoria Artística, em conjunto com o Presidente do Carnaval Virtual. O desfile contará, obrigatoriamente, com escolas melhor colocadas do Grupo Especial e de Acesso, a critério da Direção Artística, e será realizado nos moldes do Desfile Oficial.

 

Título VI – DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PARA O CARNAVAL VIRTUAL 2021

Artigo 43º – Para a organização dos Grupos Especial e de Acesso em 2021, levando-se em consideração o resultado do Carnaval Virtual de 2020, fica estabelecido:

– Ocorrerá à queda das QUATRO últimas colocadas do Grupo Especial ao Grupo de Acesso e a ascensão das SEIS primeiras colocadas do Grupo de Acesso ao Grupo Especial;
– Caso ocorra desfiliação de escola do Grupo Especial, o Carnaval Virtual, através de seu Painel Deliberativo, definirá se chamará a melhor colocada do Acesso, que não tiver conseguido o acesso em 2019.

 Artigo 44° – Desta forma fica estabelecido a formação de um Grupo Especial com 18 escolas para o carnaval de 2021.

 

Título VII – DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS

Artigo 44º – Para efeitos de aplicação do presente regulamento, convenciona-se:

– Em caso de norma que tenha como referência a palavra “dia”, considera-se também sua fração em horas, minutos e segundos como uma unidade de tempo;
– Em caso de norma que tenha como referência a palavra “minuto”, considera-se também sua fração em segundos como uma unidade de tempo.

Artigo 46° – Estabelece-se a fixação em QUATRO, do número de escolas rebaixadas do Grupo Especial ao Grupo de Acesso e em mesmo número de escolas a ascenderem do Grupo de Acesso ao Grupo Especial, a valer para o carnaval 2021.

Artigo 47º – Fica autorizada, em caso de necessidade e devidamente aprovado pelas agremiações participantes do Carnaval Virtual com direito a voto no Painel Deliberativo, a criação de um novo grupo inicial ou intermediário de agremiações, objetivando melhor organização e competitividade para o Carnaval de 2021.

Parágrafo Único – A critério das agremiações, sendo devidamente aprovado, o grupo recém-criado poderá ser utilizado já para o Carnaval 2021 ou para o ano seguinte, no Carnaval 2022.

Artigo 48º – Quaisquer situações não mencionadas no presente regulamento, bem como quaisquer situações que gerem dúvidas deverão ser apresentadas à Diretoria Artística, que analisará o caso e submeterá a votação no Painel Deliberativo.

Artigo 49º – Este presente regulamento entra em vigor a partir da data de sua publicação.


Walter Gomes Coelho

Presidente do Carnaval Virtual

Isac Alexandre Ferreira
Diretor Administrativo do Carnaval Virtual

Murilo Polato
Diretor Artístico do Carnaval Virtual

Entenda como Participar do Carnaval Virtual

Como na folia real, o Carnaval Virtual oferece diversas funções. Aqueles que têm aptidão para longas pesquisas e elaboração de textos procuram a função de enredista. Outra opção, seria como compositor. Com letras e versos, os sambistas botam a poesia em prática e elaboram sambas para concorrer nas eliminatórias. As duas funções não criam vinculo com as agremiações, podendo participar de quantas escolas quiser!  Saiba Mais

Não há restrições para participação no Carnaval Virtual. São bem-vindos amantes da folia de todas as idades, gêneros e região do país. Basta a vontade de integrar a folia virtual e seguir as orientações do Estatuto e Regulamento. Tudo é gratuito! Para criar uma agremiação, você deve ter na equipe, além do presidente, o intérprete e o carnavalesco. As demais funções não são obrigatórias. Além disso, há necessidade de preencher o requerimento de inscrição de novas agremiações.   Saiba Mais

mascote01O Carnaval Virtual possui diversas atividades e se assemelha as agremiações reais. Frequentemente, as escolas inscritas precisam de novas pessoas, seja em substituição a outro membro ou pela criação de nova função. Cada agremiação estipula funções distintas, somente sendo obrigatórios os cargos de Presidente, Intérprete e Carnavalesco. Para verificar a disponibilidade de alguma função em uma agremiação virtual existente, temos a opção de “Classificados” onde ficam expostas as vagas.   Saiba Mais

Há outras e várias formas de participação no Carnaval Virtual! Presidente, Vice-Presidente, Diretor, Intérprete, Enredista, Carnavalesco, Imprensa e outras já fazem parte das agremiações virtuais. Como vimos, as funções são delineadas pelos membros do projeto, assim, qualquer perfil pode brincar e se divertir nesta folia! Basta gostar do Carnaval como um todo, se inscrever no Carnaval Virtual e nos dizer como gostaria de brincar. De certo, estamos contando com você!  Saiba Mais